Um pouco mais sobre o Pipasgrafias e que pretendemos…

O projeto artístico Pipasgrafias brotou do encantar das pipas que riscam os ares e conectam, de algum modo, os céus e as casas das favelas da Rocinha e do Parque da Cidade, molduradas pela janela daqui de casa. Colorindo e movimentando as tardes desta quarentena.Este convite tem por finalidade, provocar o ver e o dar a ver das expressões/experiências artísticas que se corporifica por afetos, gestos, sensações, emoções…

A ideia é que esses materiais recebidos sejam aproveitados para muitas possibilidades de divulgação. A primeira delas será a publicação de um artigo (ou mais de um – e quem sabe um ebook?) onde pretendemos demonstrar os protagonismos artísticos-culturais dos moradores das favelas do Rio de Janeiro, bem como de outros lugares (subúrbios, periferias, comunidades…). Queremos ouvir seus relatos também, suas memórias, tudo que te atravessa ou atravessou, tudo que te toca/tocou nesses momentos de descontração.

Essa é uma forma de divulgar positivamente os cotidianos e relações brincantes e artísticas dos habitantes destes meios sociais, que sofrem com o descaso, preconceitos, abandonos; onde se criam esteriótipos muitas das vezes bastante ruins, mas que sabemos que são territórios repletos de muita vida e potência. Esse projeto é uma forma também de resistir e re-existir; de reforçar as potências que existem nas infâncias periféricas

Queremos dar origem a um trabalho bonito, colaborativo, artístico e potente. Este é um trabalho voluntário, sem fins-lucrativos, mas de muita relevância para a sociedade como um todo. Os artistas/colaboradores serão devidamente reconhecidos e divulgados! Será uma satisfação caso possa/queira nos ajudar. Tamo junto! Qualquer dúvida, dá um grito, manda mensagem (qualquer coisa)que a gente retorna.

Forte abraço!
Camila e Henrique (Idealizadores e Organizadores)